Impacto surpreendente e possivelmente distópico do ChatGPT no mundo da mídia

Já faz alguns anos que grandes empresas usam a inteligência artificial para desenvolverem os mais diversos projetos, mas agora que a tecnologia chegou ao grande público com o ChatGPT, está deixando muito magnata das mídias assustado e preocupado com o futuro.
Publicado em Tecnologia dia 29/01/2023 por Alan Corrêa
Impacto surpreendente e possivelmente distópico do ChatGPT no mundo da mídia

Já faz alguns anos que grandes empresas usam a inteligência artificial para desenvolverem os mais diversos projetos, mas agora que a tecnologia chegou ao grande público com o ChatGPT, está deixando muito magnata das mídias assustado e preocupado com o futuro.

Há algumas semanas, em sua newsletter de correspondência fanática, “The Red Hand Files”, o músico e autor Nick Cave criticou uma “música no estilo de Nick Cave” – submetida por “Mark” de Christchurch, Nova Zelândia – criada usando o ChatGPT, o mais recente e surpreendente entrante em um crescente campo de software de escrita robótica. De primeira vista, as letras evocavam os mesmos tons religiosos sombrios que atravessam boa parte da obra de Cave. Ao examinar mais de perto, esta faixa falsa de Cave era uma réplica de baixo custo. “Entendo que o ChatGPT está em sua infância, mas talvez esse seja o horror emergente da IA – que sempre estará em sua infância”, escreveu Cave, “pois sempre terá mais para avançar, sempre mais rápido. Nunca pode ser revertido ou desacelerado, à medida que nos move para um futuro utópico, talvez, ou nossa destruição total. Quem pode dizer qual? Juzgando por esta música ‘no estilo de Nick Cave’, porém, não parece bom, Mark. O apocalipse está bem a caminho. Esta música é ruim.”

O ChatGPT é um protótipo de um chatbot com inteligência artificial desenvolvido pela OpenAI especializado em diálogo. O chatbot é um modelo de linguagem ajustado com técnicas de aprendizado supervisionado e por reforço.
O ChatGPT é um protótipo de um chatbot com inteligência artificial desenvolvido pela OpenAI especializado em diálogo. O chatbot é um modelo de linguagem ajustado com técnicas de aprendizado supervisionado e por reforço.

A crítica de Cave ao ChatGPT – “com todo o amor e respeito do mundo, esta música é uma mentira, uma grotesca caricatura do que é ser humano” – incendiou a internet, gerando cobertura enfática de Rolling Stone e Stereogum, a Gizmodo e The Verge, a BBC e o Daily Mail. O fato de seu comentário ter causado tanta comoção provavelmente tem menos a ver com a influência de um ícone do rock subterrâneo do que com a súbita onipresença de um “software de inteligência artificial”, especialmente na comunidade de mídia e jornalismo.

Desde o lançamento de ChatGPT em 30 de novembro, as pessoas da mídia têm brincado cada vez mais com o chatbot assustadoramente eficiente, que está no negócio de imitar sua escrita.

“Não acreditávamos nisso até tentarmos”, disse Mike Allen, extasiado, em seu boletim da Axios, com o assunto “Inteligência artificial de arrepiar”. De fato, as reações tendem a cair em algum lugar entre o espanto e o horror. “Sou um redator publicitário”, afirmou Henry Williams, um freelancer baseado em Londres, esta semana para o The Guardian (em um artigo que chegou ao topo do Drudge Report via uma versão mais sensacionalista agregada pelo The Sun), “e tenho certeza de que a inteligência artificial vai roubar meu emprego… [O ChatGPT] levou 30 segundos para criar, de graça, um artigo que levaria horas para eu escrever”.

Uma edição na revista científica Nature declarou similarmente: “O ChatGPT pode escrever ensaios de estudante aceitáveis, resumir trabalhos de pesquisa, responder perguntas bem o suficiente para passar em exames médicos e gerar código de computador útil. Ele produziu resumos de pesquisa tão bons que os cientistas acharam difícil perceber que foram escritos por um computador… É por isso que é hora dos pesquisadores e editores estabelecerem regras éticas sobre o uso [das ferramentas de IA]”.

Chatbot é um programa de computador que tenta simular um ser humano na conversação com as pessoas. O objetivo é responder as perguntas de tal forma que as pessoas tenham a impressão de estar conversando com outra pessoa e não com um programa de computador.
Chatbot é um programa de computador que tenta simular um ser humano na conversação com as pessoas. O objetivo é responder as perguntas de tal forma que as pessoas tenham a impressão de estar conversando com outra pessoa e não com um programa de computador.

O BuzzFeed, por exemplo, está nisso: “Nosso trabalho na criatividade alimentada por IA está… começando bem, e em 2023, você verá o conteúdo inspirado por IA mudar da fase de P&D para parte do nosso negócio principal, melhorando a experiência do quiz, informando nossos brainstorming e personalizando nosso conteúdo para nosso público”, escreveu o CEO Jonah Peretti em um memo para funcionários na quinta-feira. “Para ser claro, vemos as inovações em IA abrindo uma nova era de criatividade que permitirá aos humanos aproveitar a criatividade de novas maneiras, com oportunidades e aplicações sem fim para o bem. Na publicação, a IA pode beneficobrir tanto os criadores de conteúdo quanto o público, inspirando novas ideias e convidando os membros do público a co-criarem conteúdo personalizado”. O trabalho vindo da redação do BuzzFeed, por outro lado, é outra questão. “Isso não se trata de a IA criar jornalismo”, disse um porta-voz a mim.

Um problema bastante grave que tem acontecido com o uso desse tipo de chatbot é na questão de direitos autorais, muita gente tem pego textos e trabalhos prontos e tentado reescrever eles usando o mecanismo virtual, fazendo assim um plágio onde o robô virtual é cúmplice.

Para uma história ainda mais distópica, confira esta história do jornalista de tecnologia Alex Kantrowitz, na qual uma Substack aleatória chamada “The Rationalist” se colocou no mapa com um post que pegou trechos diretamente da Substack de Kantrowitz, “Big Technology”. Não era apenas algum bom velho plágio, como a Melania Trump copiando um discurso da Michelle Obama. O autor anônimo de “The Rationalist” – um avatar chamado “PETRA” – revelou que o artigo foi montado usando o ChatGPT e ferramentas similares de IA. Além disso, Kantrowitz escreveu que a Substack indicou que não estava claro se “The Rationalist” havia violado a política de plágio da empresa. (O post ofensivo não está mais disponível). “A velocidade com que eles conseguiram copiar, remixar, publicar e distribuir sua história inautêntica foi impressionante”, escreveu Kantrowitz. “Foi mais rápido que a capacidade, e talvez a disposição, das plataformas de parar, sinalizando que o lado sombrio da IA gerativa será difícil de controlar”. Quando liguei para Kantrowitz para conversar sobre isso, ele esclareceu: “É claro que esta tecnologia vai tornar muito mais fácil para os plagiadores plagiarem. É tão simples quanto jogar algum texto dentro de um desses chatbots e pedir que eles o remixem, e eles farão. Leva esforço mínimo quando você está tentando roubar o conteúdo de alguém, então acho que isso é uma preocupação. Eu fiquei pessoalmente um pouco surpreso ao ver isso acontecer tão cedo com minha história”.

Na tecnologia, a Inteligência Artificial (de sigla: IA; do inglês: Artificial Intelligence, de sigla: AI) é a inteligência demonstrada por máquinas ao executar tarefas complexas associadas a seres inteligentes, além de também ser um campo de estudo acadêmico, no qual o principal objetivo é de executar funções de modo autônomo.
Na tecnologia, a Inteligência Artificial (de sigla: IA; do inglês: Artificial Intelligence, de sigla: AI) é a inteligência demonstrada por máquinas ao executar tarefas complexas associadas a seres inteligentes, além de também ser um campo de estudo acadêmico, no qual o principal objetivo é de executar funções de modo autônomo.

Quanto a Kantrowitz, ter sido plagiado por robôs não o tornou um odiador de ChatGPT. “Ainda estou super animado com a IA gerativa e ainda acho que pode ser útil para o jornalismo”, disse ele. “Às vezes, eu uso quando estou preso em uma história e nunca incluo [o texto gerado por IA] na história, mas isso pode acender meu cérebro e isso é útil. Se você pensa como isso impactará o jornalismo nos próximos dois ou três anos, a resposta provável é bastante mínima. Mas à medida que esta tecnologia melhora na escavação na internet e na obtenção de informações, e sua escrita melhora, começaremos a ver um mundo onde pode produzir escrita e análise melhores do que a maioria dos repórteres profissionais. Se você estiver fazendo reportagem original e descobrindo coisas que as pessoas já não conhecem, provavelmente estará bem. Mas se você for uma pessoa de análise, digamos 20 anos mais tarde, você pode precisar encontrar outra coisa para fazer”.

As opiniões seguem divididas entre os profissionais de comunicação, mas quem deve mesmo decidir se aceita o uso de inteligência artificial em artigos e material educacional é o público.

*Com informações do BigTechnology, OlharDigital, Vanityfair e G1.